A história da Quinta dos Lagos e da actual estrutura que ali podemos observar está intimamente ligada à do seu promotor Fernando Formigal de Morais, mandada construir por volta de 1907, segundo traço do arquiteto Carlos Parente.

Situada na Estefânia, no sitio chamado a “Variante” entre a rua Francisco dos Santos e a Estrada Chão de Meninos nacional (N249), na freguesia de Santa Maria e São Miguel, alongando-se para São Pedro. Por entre luxuriosa vegetação e múltiplos lagos – a que dão o nome à Quinta – devido à abundância de água ali existente.

 Na quinta, ergue-se uma elegante casa, com requintado bom gosto, em estilo moderno, junta da qual também mandou construir uma capela, sendo dedicada a Santa Rosa, que se vê sobre o altar por detrás de um arco cruzeiro e uma elegante balaustrada – Cuja inauguração teve lugar no dia 15 de Agosto de 1909, pelo Sr. Arcebispo de Mitilene – no espaçoso parque denominado Amélia Morais, tendo sido delineado pelo arquitecto Francisco Carlos Parente – amigo da família Morais – sendo todas as obras do parque dirigidas pelo seu proprietário Fernando Formigal de Morais.

É um edifício de arquitectura civil, com uma fachada de vãos em asas de cesto e de volta perfeita, coexistindo com uma “Loggia” Renascença e uma torre bastante alta, evocando as das cidades italianas medievais, com um relógio de torre sineira nórdica.

O interior do palacete foi enriquecido com Painéis de azulejos azuis e brancos, pintados por J. Pinto em 1907, dando-lhe um carácter monumental, representando interessantes figuras de anjos evocando episódios da vida de santa Amélia, segundo Anne de Stoop. Esta Quinta está envolvida, por um pequeno bosque, chamando a atenção dos transeuntes e conferindo ao local um aspecto edílico.

Um dos pontos que mais chama à atenção, é o portão de ferro que dá entrada para a quinta, é uma obra de arte – Arte Nova – executada sob o desenho do ilustre arquitecto Norte Júnior

Fernando Formigal de Morais, – que viria a ser um dos primeiros presidentes da Câmara de Sintra, após implantação da república – seguindo os ensinamentos do seu progenitor, também foi grande benemérito social e devotado auxiliador da instrução popular, doando a escola “Domingos de Morais” à Administração Municipal.

Fernando Morais deu algumas festas no seu palacete, numa das quais chegou a estar presente o Rei D. Manuel II. No entanto, não usufruiu muito tempo desta sua mansão, pois sentindo-se arruinado, suicidou-se.

Posteriormente esta Quinta foi comprada por um dinamarquês, Karl Andresen, que fez um requerimento à Câmara Municipal de Sintra, para fazer obras de beneficiação na torre do palácio da quinta, com data de 13 de Novembro de 1930, conforme requerimento no Arquivo Histórico de Sintra.

Ir para o topo